Estrelas-do-mar aparentemente gostam da sua privacidade. Dois estudantes de biologia da Dinamarca aprenderam isso da maneira mais difícil. Eles receberam uma tarefa relativamente simples; rotular estrelas-do-mar com pequenas marcas que permitiriam  aos pesquisadores identificarem individualmente os animais em estudos futuros. Então, eles injetaram pequenas etiquetas (como os microchips utilizados para identificar animais de estimação) nas estrelas-do-mar, só para descobri-las fora dos animais, alguns dias depois.

Quando eles investigaram o mistério, descobriram que as estrelas-do-mar ejetaram os microchips até o final de seus braços. A etiqueta fez uma viagem dentro do corpo, evitando todos os órgãos, até ser forçada a sair do braço da estrela sem feri-la. Isso seria como um ser humano levar um tiro na perna e depois ejetar a bala pelos dedos, sem quaisquer lesões internas. A pesquisa é descrita em um novo artigo publicado no The Biological Bulletin.

Os pesquisadores ainda não tem certeza de como as estrelas fizeram isso, pois não parece estar relacionado com o seu sistema digestivo. Uma coisa está clara…eles vão precisar arrumar uma maneira diferente para localizarem estrelas-do-mar distantes.

Assista aos alunos de biologia falarem sobre a sua descoberta: