Os antigos egípcios passaram séculos desenvolvendo técnicas de mumificação, mas em um cemitério em San Bernardo, uma pequena cidade da Colômbia, cadáveres de alguma forma se tornam naturalmente mumificados em seus respectivos caixões.

O fenômeno foi observado pela primeira vez há 15 anos, pelo coveiro Eduardo Cifuentes: “As covas estavam cheias de corpos”, disse ele. “Eu não gosto de pisar sobre eles, porque eles eram seres humanos como nós, então eu comecei a organizá-los”.

É justamente pelos esforços de Eduardo que as múmias estão sendo tão comentadas e discutidas. Ele disse que os corpos estão sendo mumificados desde 1957, mas ninguém prestou atenção nisso.

Com o passar do tempo, as roupas tomaram uma tonalidade marrom assim como suas peles uma aparência pastosa e enrugada. Os cientistas não têm ideia de por que isso está acontecendo. O único lugar além do cemitério colombiano, na América Latina, onde a mumificação natural ocorre é em Guanajuato, uma cidade no centro do México, onde as condições de gases e solo subterrâneos são o segredo.

Mas o mesmo não pode ser dito para San Bernardo, porque os corpos são enterrados em câmaras acima do solo (como é habitual na Colômbia) para que eles não entrem em contato com a terra.

Cadáveres que viram múmias naturalmente em cemitério da Colômbia

Os nativos têm algumas explicações próprias. Alguns atribuem a pureza da água da aldeia e da falta de aditivos químicos em sua alimentação. Alguns deles acreditam que a temperatura do solo da aldeia é propícia para o processo de mumificação. Alguns pensam que é por causa de duas frutas incomuns na dieta local, guatila e balu.

Guatila é um fruto duro, do tamanho de uma laranja, de tonalidade verde-escuro com espinhos na pele. Moradores descascam e fervem a fruta para adicioná-la às suas sopas. Já o balu parece uma vagem de feijão verde gigante. Seus grandes feijões roxos são cozidos e misturados em farinha para bolos.

Outra explicação interessante é que por volta de 1957, o cemitério foi transferido de seu local antigo para o atual: “Eu acho que seja a localização do cemitério. Eu acredito que tenha algo a ver com o universo, porque isso nunca aconteceu no antigo cemitério, nunca; não houve múmias por lá“, disse José Del Carmen Rojas, um morador local.

Por enquanto, as múmias são uma grande atração turística na Colômbia. O prefeito Antonio Acosta ordenou a construção de um museu especial atrás do cemitério, onde oito das múmias mais bem preservadas serão exibidas em placas de concreto cobertas por vidro.

Enquanto o turismo pode impulsionar a economia da pequena aldeia, nem todos os moradores estão felizes com a ideia. Claudia Garcia, uma dona de casa de San Bernardo, relata: “Algumas pessoas dizem: vai ter um monte de crianças que vem junto e vão zombar de seus parentes mortos”. Embora isso possa ser verdade, os olhares para os mortos de San Bernardo serão um sucesso e colocará esta pequena aldeia esquecida novamente no mapa.

A aldeia de San Bernardo tem uma população de apenas 17.000 pessoas. Ela está a três horas de carro da capital Bogotá. Atualmente, existem cerca de duas dezenas de múmias expostas em posição de pé contra as paredes de uma cripta subterrânea do cemitério local.

[Jornal Ciência]